segunda-feira, 21 de março de 2016

Aves da Quinta da Alagoa



A Quinta da Alagoa em Carcavelos pertenceu à Companhia de Jesus e foi outrora uma quinta produtora do afamado vinho de Carcavelos. Actualmente é um importante espaço verde, oferecendo à população uma generosa zona relvada, ladeada por cedros, pinheiros, eucaliptos e oliveiras. Esta infra-estrutura dispõe de espaços infantis, campos de ténis e uma bela e melancólica lagoa que ainda hoje funciona como um instrumento para a captação de águas subterrâneas. 

Depois de passar um final de tarde a beber um chá e a ler " A morte de Ivan Iliitch" de Lev Tolstoi numa esplanada perto da lagoa, suou um canto que despertou a minha atenção:
Era um lugre que cantava numa árvore ali perto, pouco depois foi a vez da estrelinha-de-cabeça-listada responder ao chamamento e antes do jardim fechar chegaram duas garças-reais que fazem deste espaço um dormitório. Foi então que fiquei sem luz para continuar a ler estes sinais voadores porém voltarei em breve.


Lugre (Carduelis spinus)

Estrelinha-de-cabeça-listada (Regulus ignicapilla)

Garça-real (Ardea cinerea)




Existe uma nova ave na Quinta da Alagoa. Venha conhece-la neste artigo.





sábado, 19 de março de 2016

Falcão-de-pés-vermelhos (Falco vespertinus)



Estávamos em maio do ano passado quando Portugal foi alvo de uma saudável invasão de Falcões-de-pés-vermelhos (Falco vespertinus), provenientes do continente asiático e do leste europeu. Os ventos de leste podem ter estado na origem desta alteração de rota que conduziu estes pequenos falcões até ao nosso país. E foram muitos. Perto de uma centena, foram observados deste o Algarve, Alentejo e Ribatejo. Sendo as próximas fotografias um relato de um breve avistamento de uma fêmea ornamentando a serena paisagem das lezírias da ponda da erva.














sexta-feira, 18 de março de 2016

Leitura: A Escavação





Em Leitura Portátil hoje acabei de ler "A Escavação" de Andrei Platónov. 

Este romance distópico é de igual forma uma crítica apurada à edificação do regime socialista soviético.  No decorrer da história, os operários escavam os alicerces de um enorme edifício que servirá para albergar todo o proletariado, enquanto promessa de progresso e bem-estar social.

Gostei particularmente das seguintes personagens:

Voschev, homem inquieto em busca constante pela "verdade desta vida" e que após ter sido despedido de uma pequena fábrica, junta-se aos restantes operários para a construção deste gigantesco edifício. Tal como Pruchevski, eng.º que sonhava com a sua morte e que idealizou  e projectou o edifício global. E também, Jatchev, um mutilado que anda de cadeira de rodas e critica com desdém todos os operários, por vezes com estiradas cómicas, contrapondo com assomos de ternura para com uma menina misteriosa que queria abraçar os ossos da sua falecida mãe. Essa menina é Nástia, uma criança que será a metáfora  reveladora deste romance.

Algumas passagens interessantes:

“Sentindo a sua tristeza devido ao movimento organizado contra ele, veio aqui por si próprio e deitou-se entre os defuntos e morreu pessoalmente”

“Com a cuidadosa ganância de quando o proveito é mais necessário que o prejuízo”


Foram 172 páginas de boa companhia 
***

terça-feira, 15 de março de 2016

BioMelides: Nocturno





Numa noite fria e sem nuvens foi possível contemplar o céu estrelado de Melides e as suas proeminentes constelações, porém ainda sem estarmos perfeitamente alinhados com a Via Láctea.
Esse será o próximo exercício: tentar seguir o rasto da Estrela Polar cá de baixo.







Até sempre Sr. Nico







Até sempre Sr. Talento, Sr. Contente, Sr. Actor Maior.
Hoje, enquanto chove para além das dimensões,
a televisão recorda-te, o país chama-te,
as palavras curvam-se nos sorrisos que fizeste ser,
além do mais, agora, entreabres os céus num brilho eterno Sr. Nico,
enquanto cá em baixo falta sempre qualquer outra coisa.

Nicolau Breyner (1940-2016)