domingo, 27 de maio de 2012

Café Poema: A Poesia e a Liberdade - 01|06 - 22:00 -



Censura é uma palavra feia.

Neste Café Poema vamos falar da Liberdade ou da falta dela e também dos livros proibidos durante o Estado Novo.
Quem sabe senão encontraremos motivos para rir... do escárnio ao maldizer  deste e de outros tempos.


É já no próximo dia 1 Junho, pelas 22:00, no Cappuccinos Coffee Shop em Carcavelos.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Projecto 4 Estações sobre Monsanto: Salamandra-comum (Salamandra-salamandra)



No Projecto 4 Estações sobre Monsanto tive a oportunidade de fotografar um anfíbio  muito curioso.

Tal como as impressões digitais dos seres humanos, assim são as manchas da salamandra-comum (Salamandra salamandra), únicas. As salamandras não mordem, portanto não são venenosas. Apenas dispõem como defesa de uma secreção cutânea viscosa de tonalidade esbranquiçada que é irritante para os olhos e quando ingerida pode causar alucinações e indisposição, mas quem vai ingerir a secreção de uma salamandra?
 

Podemos observar este maravilhoso animal e até pegar-lhe sem qualquer perigo, todavia, não devemos exercer qualquer pressão sobre o anfíbio. “Acredita-se” que este animal evidencie alguma resistência ao fogo, uma vez que é comum vê-lo abandonar troncos quando estes estão a arder. Devido à sua coloração amarela e vermelha granjeou durante a idade média conotações de animal demoníaco, crenças que chegaram até aos nossos dias com rótulos de medo e repugnância, algo completamente errado!


Em Portugal esta salamandra é a única espécie de anfíbios com reprodução ovovivípara (animais cujo embrião se desenvolve no ovo alojado dentro do corpo da mãe). No nosso país, a sua distribuição ocorre de norte a sul, sendo abundante na região norte. Se cuidarmos da nossa biodiversidade este animal pode viver até aos 30 anos.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Noticias do Bloqueio



Amigos!

O Próximo Café Poema terá como tema a Liberdade ou a falta dela e será a 01 de Junho pelas 22:00 no Cappuccinos Coffee Shop....

Aqui fica um cheirinho.... poemas de Egito Gonçalves - "Noticias do Bloqueio" e Jorge de Sena, "uma pequenina luz" com a declamação magistral e saudosa do grande Mário Viegas!

sábado, 19 de maio de 2012

A pega-azul

 
são coisas da vida. não posso dizer que me senti traído ou enganado. mas para a próxima vez já sei, nunca mais divido nada com quem estiver na berma da estrada, mesmo que seja muito bonita, mesmo que tenha fome, e essencialmente, se me fizer um gesto convidativo à compaixão ou a ternura dos afectos, mesmo que faça muito frio e sinta pena daquele ser frágil,  sigo em frente e desvio o olhar. estávamos em Dezembro, quando na Amareleja dividi uma sandes de chouriço com uma bela pega-azul (Cyanopica cyanus), melhor dizendo, ela apenas debicou e levou o que lhe interessou...  




segunda-feira, 14 de maio de 2012

"A" de Árvore



Quando no húmus incidiu um fio sol
dos troncos se fizeram abraços
da seiva os beijos madrugadores
da cortiça o eco dos cansaços
das folhas curtas o gume dos amores

mas quando na manta morta choveu,
da tua cama à minha voz
foi um palmo de raiz até à minha pele
e mesmo assim,
quando estou não estando
escolho-te companheira não por seres árvore,
antes amor maior,
contra os impossíveis de qualquer movimento sombra.



quinta-feira, 10 de maio de 2012

19 de Maio Noite Longa dos Museus


Ar Puro. Passeio. Noite.Libertação. Voar.

Estamos a falar da Noite Longa dos Museus resultante de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa com o Museu da Água da qual podemos usufruir de um Passeio pelo Aqueduto das Águas Livres e depois assistir à Libertação de uma Ave reabilitada no Centro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa.

Só bons motivos para aparecer!

 



quarta-feira, 2 de maio de 2012

Garça-nocturna (Nycticorax nycticorax)

O Goraz ou a Garça-nocturna (Nycticorax nycticorax), como o próprio nome indica, tem uma actividade predominantemente corpuscular ou nocturna, sendo uma ave com uma distribuição abrangente nos vários continentes, contudo é uma espécie rara em Portugal.




No nosso país é uma ave estival, ocorre geralmente entre Abril e Setembro, em zonas húmidas, com predominância de vegetação palustre, próximos de pauis, barragens, lagoas ou açudes. Aliás estas fotografias foram registadas no Parque Florestal de Monsanto no açude do Espaço Biodiversidade. Curiosamente, há informações de que o Goraz nidifica em liberdade nas proximidades do Jardim Zoológico de Lisboa.

Quanto à identificação; os machos e as fêmeas em estado adulto são semelhantes. De porte compreendido entre os 58 a 65 cm apresenta um aspecto ligeiramente anafado devido ao seu pescoço curto. A plumagem é maioritariamente cinzenta, no entanto, o bico, a coroa e o dorso são pretos, com a face e o ventre esbranquiçados, as patas são amarelas e os olhos de um vermelho fantástico, compõem o magnífico quadro desta ave. Os juvenis são acastanhados mas também apresentam as patas amarelas. Durante a época nupcial os adultos apresentam longas plumas brancas na cabeça. As suas vocalizações fazem lembrar um Corvo.


A dieta alimentar do Goraz é constituída por peixe e pequenos invertebrados aquáticos mas também pode alimentar-se de insectos.
Esta ave estabelece pequenas colónias para nidificar, o que ocorre essencialmente em árvores como os choupos e salgueiros mas também pode escolher os caniçais para fazer o seu ninho que uma vez ocupado, o mesmo é utilizado ano após ano.


É importante realçar que um dos factores que concorre para a diminuição desta espécie na Europa será a degradação dos habitats naturais e seminaturais.