quarta-feira, 22 de abril de 2015

Café Poema - 25 de Abril e a Liberdade Poética






Amigos,

Aqui chegados e eis o convite para mais um Café Poema.

Vamos falar da liberdade poética e da liberdade que o dia em si comemora.
A poesia livre, sem convenção obrigatória, nem acordo prévio ou arbitrário;
O poema acontece antes e depois de existir momento.

Sejam bem-vindos.




sábado, 18 de abril de 2015

BioMelides: Cogumelos & Fraldas





Os cogumelos que crescem nos troncos das árvores são agentes decompositores por excelência, uma vez que aceleram os processos químicos em torno da madeira morta catalisando o processo de decomposição. Estes cogumelos alimentam-se de celulose e estabelecem relações de mutualismo e de predação com a própria árvore. Mas atenção, o facto de crescerem nos troncos não lhes dá nenhum de certificado de qualidade alimentar – também aqui existem espécies venenosas. 

Uma curiosidade: 

Foi descoberto recentemente pela Universidade Metropolitana da Cidade do México, que os cogumelos-ostra (Pleurotus ostreatus), por se alimentarem de celulose, reduzem o tempo de decomposição das fraldas descartáveis para quatro meses. Se atendermos ao facto que uma fralda pode demorar séculos a decompor-se, estamos perante uma excelente notícia para o ambiente



quarta-feira, 8 de abril de 2015

Quinta do Lago



ao final da tarde, ainda se ouvem grilos e garças em cantos de luz,
tantas foram as penas e as escamas de um dia percorrido na palma da mão,
de máquina fotográfica em punho, músculo de disparo rápido, cantil de água e fruto,
das aves que vimos fica o espírito da memória e das que sonhámos - um outro dia talvez,
pois diz-se esperança quando a espera não desgasta o sorriso inicial.

já no regresso ao corpo da casa,
o céu estende-se em bandeiras vitoriosas e brilham-nos os olhos sem palavras
quando as sombras se agigantam em árvores de um amanhã prometido,
temos todas as horas do relógio que ainda falta ao tempo para voar.



terça-feira, 7 de abril de 2015

BioMelides: O cuco-rabilongo (Clamator glandarius)





Este é um cuco que não faz “cu-cu”.
O cuco-rabilongo (Clamator glandarius) é uma espécie estival nidificante. Esta ave de cauda longa e poupa tímida visita o nosso país predominantemente no mês de Março.




Durante alguns meses leva a cabo um acto de parasitismo ao substituir os ovos dos ninhos das gralhas, pegas e gaios pelos seus, encarregando assim, os incautos hospedeiros de cuidar da sua descendência. Às vezes este cuco sai dos relógios de madeira para nos avisar das histórias intemporais da natureza.