quinta-feira, 26 de abril de 2012

Orquídea - Ophrys apifera





Ophrys apifera
(Parque Florestal de Monsanto)

Como não posso oferecer-te...
o mundo de uma flor
ofereço-te uma orquídea
que é muito mais que uma flor
num azulado silêncio das pétalas
sílaba de um amor mudo.




domingo, 15 de abril de 2012

Exposição "Aves Exóticas - Espécies Não Nativas que Nidificam em Portugal"

Meus caros Amigos,

foi com enorme satisfação que aceitei o convite para participar nesta exposição colectiva sobre "Aves Exóticas - Espécies Não Nativas que Nidificam em Portugal"


Vale a pena visitar. A natureza agradece.







(...)


O portal avesdeportugal.info organiza a sua primeira exposição online, subordinada ao tema das aves exóticas que nidificam em Portugal.
Esta exposição estará patente ao público de 15 de Abril a 15 de Maio de 2012, no mundo virtual Second Life.
Para mais detalhes sobre esta iniciativa e sobre a forma de visitar a exposição, por favor, consultem a página:
http://www.avesdeportugal.info/expo1



(...)

sexta-feira, 13 de abril de 2012

O sonho e a semente




Com o sol a pique e em contra luz
Ella escavava um pequeno buraco na terra
no húmus remexido colocou um punhado de pequenas sementes,
ficando com algumas bagas nas mãos das quais pediu um desejo.

Nesse instante as bagas tornaram-se transparentes
e germinaram na ponta dos seus dedos,
e dos dedos das mãos a transparência evoluiu até aos braços,
e dos braços subiu pelo corpo como uma dor da qual se desconhece a origem
mas deseja-se passageira,
mesmo assim, Ella ficou tão transparente quanto feliz. 
 
Tapou o cultivo com o mesmo preceito e carinho de quem cuida de um filho
e esperou pelas nuvens carregadas de chuva promissora;
os dias que passava no campo evoluíam na candura de pequenos hortos rápidos
e cada vez que enterrava as mãos na terra surgia um remoinho
do qual a natureza fazia cumprir o tempo de forma estranhamente célere:
as sementes na terra medravam, as flores floriam, os frutos maduravam;
em 4 horas ocorreram as 4 estações do ano num bailado luminoso.
 
Depois começou a chover sem que houvesse uma só nuvem no céu
onde Ella pudesse esconder mais do que uma palavra ou um suspiro.


segunda-feira, 9 de abril de 2012

Não vi a sombra de Mark Lanegan


Naquela noite não vi a sombra de Mark Lanegan. Por isso, quando as palavras são demais e só atrapalham...  Que impere a fala da alma na canção.

Assim foi.
Mark Lanegan permaneceu distante, tímido, contudo ante a ausência da cor propriamente dita dos afectos, sobressaiu a supremacia do dom e do génio. Brilhante.

Lisboa assistiu a um concerto único de uma das vozes mais carismáticas da América.
O homem alto, trajado de negro, pose contemplativa do horizonte mais distante, de voz poderosa num apelo às sensações de igual forma intensas. Ao mesmo tempo que a alma que dava voz ao palco invocava fantasmas, estes não passavam de meros acasos para homens que não precisam da sombra para nada. Mark Lanegan é um deles.