terça-feira, 18 de junho de 2013

Um pontinho amarelo




Esgotei a página.
não tenho mais nada para dizer!
para além de que hoje foi só e apenas hoje,
um dia esférico de acontecimentos escorregadios,
espalhafatoso vazio.

ao meu lado,
tudo transformou-se em verbo
que se afastou das bocas
em improváveis acasos
esgotei-me no ponto e na virgula.

o peso das horas que cai sobre mim
é o arrasto do céu triunfal
em pinceladas cinzentas
no meio das aspas e reticências
medo sempre esperança

acredito que amanhã
não vou viver a preto e branco
porque mesmo sem sol,
um pequeno pontinho amarelo suportará tudo o resto.



2 comentários: