segunda-feira, 24 de junho de 2013

Casével e o armazém




Quando o céu nos serve de telhado
à solidão das ideias em flor, 
à queda de tantos braços em brasa,
nãoquem habite os olhos
das casas abandonadas da planície.

Sem comentários:

Enviar um comentário