terça-feira, 8 de janeiro de 2013

A tua casa





espero que acordes e quando acordares
espero vejas e quando vires
espero que leias e quando tiveres lido
espero que sintas...
que não estás só
mesmo que nunca lá tenhas entrado;

a casa de todas as casas
não tem uma só porta nem uma única janela,
não tem vista para o mar nem está virada para as estrelas,
a casa de todas as casas não é a tua morada
só porque está lá e porque existe mau tempo cá fora
mas sim porque serve-te de abrigo,
mesmo que não esteja a chover e não te apeteça ouvir as suas palavras.

um dia quando acordares vais dizer-me como te sentes:
no aconchego e na eterna dúvida de lá estar.

Sem comentários:

Enviar um comentário