quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Novo




Num suave chamamento das cordas
sentes o corpo do nevoeiro
a puxar-te pela mão para o centro das coisas,
onde as memórias vão emergindo
desfocadas, pasmódicas, ensanguentadas de sorrisos,
suspensas em lágrimas de primavera,
numa visão primordial de luz e água.

Ės atingido por uma agulha de som,
os nervos das mãos e do pescoço entumecem, 
as tuas asas oculares digerem a luz,
assistes à pprojecção do ciclo da realidade prometida
um filme com imensos filmes dentro,
tudo é novo, original, imaculado,
sem cor e por isso sem erros.

Sentes-te único,
um ponto crepuscular
prestes a implodir conhecimento  
num infinito que se repete em eco constante,
depois surge a explosão e a queda do branco dos céus 
a película parte-se e finge ser um animal morto,
sem graça, decoro ou pele,
a projecção acaba e a sala abre-se à cor do dia
ficas com a sensação que perdeste algo
nasces antes e depois. 









Sem comentários:

Enviar um comentário