segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Fuente Dé - Picos de Europa


Setembro 2014

Engoli em seco quando olhei para o gigantesco animal rochoso que se elevava na neblina, ditando a bel-prazer os caprichos do tempo e da pedra. Aceitei o convite da montanha para conhecer os seus recantos e foi assim que entrei no teleférico confiante da sua insuspeita aparência. 

A subida começou.

Enquanto a cabine ascendia suspensa por dois cabos, outra descia contrabalançando as esperanças dos seus viajantes. Com o aumentar da altitude, sustive a respiração e espreitei de soslaio por uma janela. Lá em baixo tudo era tão pequenino: as casas, os carros, as pessoas, um autêntico mundo em miniatura prestes a transformar-se numa microscópica civilização. Em pouco mais de quatro minutos a viagem fez-se a pique, num fôlego rápido, sem que sentisse o chão a fugir por entre a sola dos sapatos e as nuvens tão perto dos olhos. Para acalmar um certo nervosismo, dei comigo a falar pelos cotovelos tentando assim esquecer vertigens e outras fobias.

Quando o teleférico chegou ao seu destino, por entre os viajantes rasgaram-se sorrisos de indisfarçável contentamento por atingir terra firme. Lá estava eu em bico de pés, a 1823 metros de altitude e mais uns centímetros de curiosidade, a contemplar a paisagem de montanha. Sem frio nem vento que me desse as boas vindas, cheguei aos Picos de Europa com alguma luz. A paisagem de montanha era imponente por entre a parca vegetação, sendo possível ver um pouco de neve no topo do maciço central envolta num abraço de nevoeiro.

O resto do percurso foi feito a caminhar por cima de pedras, evitando algumas quedas mais aparatosas, medindo com cuidado cada passo ante as armadilhas do terreno.


4 minutos sempre a subir


No mirador da Fuente Dé, as nuvens ali tão perto.


Os grifos e as gralhas de bico-amarelo fazem o seu ninho nas escarpas do maciço central dos Picos de Europa.


Desce o nevoeiro na altitude que os olhos conseguem alcançar.


Aquando da volta do sol as nuvens traçam o rasto lunar da paisagem. 


Era um pontinho no meio da imensidão montanhosa quando ao longe surgiu a visão da Camurça (Rupicapra rupicapra), com algum esforço, talvez se consiga ainda descobrir na fotografia o que estaria ela a comer.


No início da caminhada as borboletas Lysandra coridon  poisavam sobre uma pedra esculpida pelo cupido


E as flores da manhã eram cobertas por pérolas de orvalho.


Enquanto outra borboleta nocturna Setina flavicans brilhava na aridez do silêncio montanhoso.



A Ferreirinha-alpina (Prunella collaris) espreitou confiante para ver o que tanto fotografavam estes visitantes.


Depois de caminhos sinuosos onde a queda era mais que provável, eis que surge a surpreendente ave que há muito ansiava observar: A Trepadeira-dos-muros (Tichodroma muraria)


Esta pequena trepadeira não parava quieta, de um lado para outro, escondendo-se do olhar mais intruso à sua tranquilidade.


Mesmo de costas e com o vento a desarranjar tão composto traje, é incomparável a sua beleza e a singularidade do seu voo. O próximo artigo deste blogue artigo será exclusivamente dedicado a esta inquieta trepa-fragas.


Por seu turno, a Gralha-de-bico-amarelo (Pyrrhocorax graculus) não se incomodava com a presença humana.


Sempre atenta ao que o homem mais distraído poderia deixar para ela comer.


Voando em bandos para os locais onde se encontravam um maior número de pessoas.


Neste caso, até parece que a Gralha-de-bico-amarelo gostou de uma barrita de seriais que com ela partilhei.



 Com aparecimento do sol juntaram-se aproximadamente quinze gralhas nas imediações do teleférico, à espera da boa vontade dos turistas e das suas gulosas benesses. 


Mais para interior da montanha avistavam-se rebanhos que cumpriam o seu destino em busca da escassa verdura.


Seguidos de perto pelo olhar atento dos grifos que planavam por cima das nossas cabeças.


Por entre a névoa e a pedra espreitava sempre um bicho que me recordava o caminho. 


De regresso à base, a descida pelo teleférico foi suave e tranquila, ainda cheguei a tempo para observar este Esquilo-vermelho (Sciurus vulgaris) numa atarefada corrida em saltos de boca cheia.



Um dia hei-de voltar a percorrer as mãos generosas desta montanha. Até lá fica a saudade feliz.







Sem comentários:

Enviar um comentário