terça-feira, 15 de abril de 2014

Grito de sol






Sem  mãos que a percorra,
na carícia secreta dos segredos 
enterrados entre os dedos dos pés,
de uma ponta à outra,
uma praia estendida na luz que me enche os olhos.
 lembrei-me de ti;
da falta que fazes a esta pequena praia sem verão,
nem nome,
nem pessoas,
ou bichinhos curiosos;
lembrei-me do teu corpo de areia
com vontade de ser grito de sol.



Sem comentários:

Enviar um comentário