quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Ainda sobre




Ainda sobre o nosso abraço,
quando foste embora, olhaste 3 vezes para trás e sorriste. 
fiquei imóvel, fixado em ti, até que tudo se transformou em vazio;
e desapareceste do prolongamento dos olhos,  
branco página, boca sem asa, voz sem canto, porta sem casa. 
E de repente do céu que nos expiava,
choveram pequenas letras negras, maiúsculas e minúsculas,  
num abecedário de combinação improvável,
cobrindo toda a realidade,
muito para além da paisagem ou do espaço finito dos corpos.

Para meu espanto, do chão coberto pela conjugação do novo alfabeto,  
as folhas caídas de outono subiram lentamente
para os ramos das árvores forradas por mil letrinhas;
eu sem saber o que fazer com esta alma inquieta,
escrevi-te ainda sem saber o que escrever 
na casca dos frutos voadores - um desejo. 
- até um dia flor.

2 comentários: