quinta-feira, 7 de novembro de 2013

4 Estações sobre Monsanto no reino dos Fungos - Colecção 2013 - parte I

Com o Outono chega ao Parque Florestal de Monsanto todo o encanto dos cogumelos.
Esta é a primeira parte da nova colecção Outono - Inverno 2013.  Em cima da hora, é certo, contudo gostaria de realçar certas tendências para esta estação; entre outras modas de indumentária mais sóbria, destaco os tons esbatidos e misteriosos que se agigantam por entre as sombras informes destes magníficos seres.

Debaixo da terra há um movimento expansionista, sem direcção, abrangente, sem que se note a manobra secreta de moldar os pés ao abraço da terra. 

Clathrus ruber ou gaiola-das-bruxas é estonteante a dança das moscas em redor do rendilhado vermelho deste nome cogumelo.

Gymnopilus spectabilis - dos velhos troncos de madeira cortada, espreitam pequenas estruturas vivas, atentas ao manto profundo de Novembro e à sua fala.

Stropharia aurantiaca - dos meus pés erguem-se organismos de vigia provenientes das cidades do subsolo.

As explosões que ocorrem na garganta da manta morta são ecos de vida que se perpetuam na humidade destes meses.

Das tuas florestas renascem pequenos seres do tamanho das grandes cidades nunca dantes vistas.


Dos troncos que sustêm a força terra, surgem as mãos dos fungos que se querem libertar e nada os detém.


A proporção do adorno, ainda que minúsculo e discreto, faz toda a diferença no reino dos grandes nadas e tantos amores.

Da casca da árvores nasceram bocas insuspeitas, mãos de veludo e pérolas de rezina. 
Um mês depois tudo será verbo em movimento e ficção.

A sorte do trevo não tocar nas arestas onde a membrana afiada com espinhos reclama por esperança.

O fruto da terra e de todas as chuvas com nome de mulher.

Lentamente, o movimento do  fungo, por entre a caruma dos pinheiros, sem que se ouça um grito de luz.

Na noite das torres inclinadas escutamos os tambores da lua.

Experimentei encostar o ouvido à terra para ouvir noticias de nós dois.

Desbotado o Outono quando uma russula gostaria de ser uma rosa.

Depois de muito caminhar por entre o verde profundo há uma porta que se abre 




Sem comentários:

Enviar um comentário