quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Em busca do tordo-zornal (Turdus pilaris)






Foi com enorme contentamento que aceitei o convite dos meus amigos Frade para partir em busca do tordo-zornal pela geometria das terras serranas. Ficámos alojados nas Taliscas, terra onde o ambiente calmo e familiar é salpicado pela melodia corrente da ribeira de Unhais, numa combinação de matizes naturais que se traduzem num elixir de tranquilidade para a alma.

Quando a noite despertou o céu engalanou-se de estrelas para festejar Santa Bebiana e claro... nós fomos para a festa! Chegámos ao Paul, e onde existiam casas particulares passou a haver bares de porta aberta, com gente de sorriso pronto e sincero. Degustei o doce das filhoses com travo a aguardente enquanto perdia o olhar pelas ruas típicas da vila. Depois, de púcaro atado ao pescoço, percorri várias casas transformadas em tasquinhas, provando o espírito da jeropiga e as suas histórias entornadas em gargalhadas.
A população entrou na romaria de espírito jovem e festivo, acompanhando os bombos, as tunas e  os cantares populares em torno da segunda vila mais portuguesa de Portugal. O Paul estava em festa.

No outro dia ainda o sol não tinha nascido já nós encetávamos viagem em direcção às Penhas da Saúde. Lá chegados e num rasgo de sorte, encontrámos um precioso tentilhão-montês no meio de um bando de outros tentilhões-comuns, alimentando-se das bagas vermelhas que abundantemente caiam das árvores. A luz (ou a falta dela) era terrível, sendo esta uma das poucas fotografias sobreviventes.



Não parou de chover um minuto e houve alturas que não se via um palmo à frente do nariz. O para-brisas do carro deixava antever uma realidade branca de névoa fria e rajadas de vento intimidatórias. Mesmo assim, ainda observámos um bando de melros-de-colar e supostamente tordos-ruivos ou tordos-zornais, ou quem sabe, se não seriam pequenos duendes voadores sobrevoando catedrais de
neve suspensas.



A subida até à Torre em busca da escrevadeira-das-neves também não teve sucesso.  O nevoeiro condicionou a busca por qualquer coisa que se mexesse. Restavam as árvores para nos indicar o degelo das horas matinais.


Descemos e prosseguimos com determinação em busca de cogumelos e lugres, para tal entrámos no Covão da Ametade, uma depressão de origem glaciar de encanto único, onde o ambiente é um quadro vivo de emoções sempre diferentes. Não encontrámos o que procurávamos, porém, e para deleite do olhar, fica assinalado alguns fotogramas singulares da beleza paradisíaca do local. Aqui a surpresa é constante e a beleza natural movimenta-se de forma renovada e perpétua.








Tempo para descomprimir. Nas Penhas da Saúde depois da espera inglória pelos bichos, guerreamos com a neve, ponteámos a sorte e injuriámos a sexualidade das chaminés. Brincadeiras de crianças  -sempre oportunas.



No dia seguinte era o agora ou nunca. Entre curvas acentuadas e subidas por estradas ladeadas por neve, surgiu o momento em que apareceram os tão desejados tordos-zornais. Não se pode ter tudo; se por um lado é um privilégio assistir a uma paisagem delineada por um silêncio branco, por outro, o nevoeiro  e a chuva não permitiam uma visibilidade superior a 5 metros, como se comprova nas fotos possíveis, que apenas servem para registar as espécies e que reflectem as dificuldades do momento.


Ali estava ele - o tordo-zornal escondido por entre ramos e o temporal. 
A foto possível num momento a recordar.


Depois de muitas voltas, as condições climatéricas agravaram-se, mas ainda foi possível assistir ao desafio do corvo perante os contornos de uma eventual aparição.


E nas curvas sem margem, o destemido rabirruivo enfrentava a neve sem frio que o demovesse. 


Enquanto isso, uma perdiz corria atarefada em busca de um abrigo no meio dos caminhos gelados. 
O frio apoderava-se das mãos e o estômago reclamava por atenção quando fizemos um intervalo para aquecer os dedos e a barriga. O almoço foi no restaurante Varanda da Estrela nas Penhas da Saúde. Como entrada deliciei-me com uma variedade suculenta de enchidos, ao que se seguiu o prato principal: um soberbo javali com castanhas e cogumelos regado com vinho tinto da casa. Forças retemperadas! 

Voltámos ao local onde tínhamos observados os tordos-zornais, esperámos várias horas pelo regresso das aves enfrentando o frio cortante. Porém, os tordos só regressaram para um poiso breve durante parcos instantes, brindando o nosso companheiro Pedro Inácio com fotografias bem mais apresentáveis. 


O tempo passou e com ele a urgência dos afazeres e obrigações para além dos montes e das serras. O regresso foi com a certeza de redescobrir as sombras que se escondem em cada palavra aqui descrita em branco. 









Agradecimentos: Família Frade
                         Pedro Inácio






Sem comentários:

Enviar um comentário