segunda-feira, 30 de maio de 2016

Parque Ambiental do Alambre



Situado em pleno Parque Natural da Arrábida, o Parque Ambiental do Alambre reúne excelentes condições para observação e fotografia de aves. Existem dois abrigos para o efeito e foi no abrigo da trepadeira que no mês de Fevereiro aproveitei para fotografar a graciosidade e o dialogo entre passeriformes e o meio envolvente.

Mesmo antes de chegar ao abrigo, perto de umas mesas de merendas, tive oportunidade de observar esta trepadeira-azul (Sitta europaea). O bicho não conteve a curiosidade e veio ver se lhe calhava algum acepipe.





Já instalado no abrigo pude observar a ferreirinha-comum (Prunella modularis) que andava muito entretida com os seus afazeres nutricionais, não ligando às disputas entre poisos que de vez em quando ocorriam com outras aves.








A uns escassos dois metros da janela do abrigo, uma fêmea de lugre (Carduelis spinus) decidiu mostrar todo seu esplendor aproveitando o sol e as sementes que abundavam naquela manhã fria de Fevereiro, E sem medo por ali evoluiu calmamente, saltitando entre poleiros, feliz certamente por ainda permanecer por terras a sul.







Já o pisco-de-peito-ruivo  (Erithacus rubecula) veio e (en) cantou num tom tão alto quanto melódico.




Perante tal cantoria, o chapim-azul  (Cyanistes caeruleus) veio também dar acompanhamento à sinfonia num trinado muito especial


O chapim-de-poupa (Lophophanes cristatus) com um "penteado" a preceito engalanou-se para asssitir ao canto à desgarrada.







Num frenético combate aéreo, os vendilhões (Carduelis chloris) e o seu  mau feitio gladeavam-se num duelo de bico afiado.







Mais discreto o chapim-carvoeiro (Periparus ater) apareceu de fugida,



não sem antes, desencanear-se uma pequena altercação com o sue primo chapim-azul.


Foi nesse momento que surgiu o chapim-real  (Parus major) para moderar os ânimos mais exaltados.




O tempo voou entre asas e cantos deixando a promessa de um dia voltar.












Sem comentários:

Enviar um comentário