quarta-feira, 10 de julho de 2013

Mina de São Domingos






Em flanco lunar a paisagem reclama a aridez das lagoas ácidas,
da terra vermelha irrompem crateras
de onde aparecem e desaparecem vultos rápidos
dos trabalhadores do cobre na extracção da memória.

pelos céus os andorinhões resgatam a alma dos mineiros e das famílias inglesas desaparecidas,
como é dissonante o silêncio das coisas que já não nos fazem falta;
já nem os fantasmas conseguem suster as construções abandonadas desta base
nada mais se ouve para além do pulsar em ruína,
o músculo vascular da mina já não tem suspiro para continuar.

outrora, o minério era extraído pela mão do pai e levado pelos carris até ao Pomeirão,
pela terra rude muito pão foi servido às bocas de fome e esperança
por fim, em 1966 esgotou-se o filão já com a paisagem despida de verde-amor.
hoje o filho da máquina contempla o deserto humano,
não fosse o pior mecanismo de destruição o esquecimento.


Sem comentários:

Enviar um comentário