domingo, 17 de março de 2013

Pontão





No verão, crianças bomba atiram-se do pontão com o estrondo, 
em brincadeiras de pele queimada e areal derramado pelo horizonte próximo;
são sempre poucos os mergulhos no desconhecido que desafiam o medo e a esperança!
no inverno, em fins de semana cinzentos, os pais regressam ao mesmo pontão, 
tiram medidas às sombras e descobrem sempre novos silêncios;
lentamente, hesitam nos passos e procuram no mesmo fio breve de sonho,
respostas que encham a boca e os olhos aos filhos. 
nestes dias, na mesa não se cala outra coisa senão o futuro,
sem que os pequenos os ouçam, eles perguntam-se num auto de fé:
para onde foste Portugal?

Sem comentários:

Enviar um comentário