segunda-feira, 9 de abril de 2012

Não vi a sombra de Mark Lanegan


Naquela noite não vi a sombra de Mark Lanegan. Por isso, quando as palavras são demais e só atrapalham...  Que impere a fala da alma na canção.

Assim foi.
Mark Lanegan permaneceu distante, tímido, contudo ante a ausência da cor propriamente dita dos afectos, sobressaiu a supremacia do dom e do génio. Brilhante.

Lisboa assistiu a um concerto único de uma das vozes mais carismáticas da América.
O homem alto, trajado de negro, pose contemplativa do horizonte mais distante, de voz poderosa num apelo às sensações de igual forma intensas. Ao mesmo tempo que a alma que dava voz ao palco invocava fantasmas, estes não passavam de meros acasos para homens que não precisam da sombra para nada. Mark Lanegan é um deles.


Sem comentários:

Enviar um comentário