segunda-feira, 25 de julho de 2011

Café Poema - 29-07-2011 - Anti-Crise







Sejam bem-vindos a este cantinho Portucalense, 
onde, desde de tempos imemoriais,
temos andado de braço dado com a senhorita crise
numa dança de pé descalço e desajeitada pisadela. 
porém, 
dos Poetas, visionários, sonhadores fizemos corpo 
e num triunfal engenho contornámos ratoeiras
impostas pelo plano inclinado do soalho em curva  
tantas vezes envernizado a jeito do trambolhão 
e da monumental palhaça
mas na dança do pé descalço levantámos a palavra
na valsa do sonho por um cantinho melhor.

_____________________


e assim será o próximo café poema, apareçam!


SG

2 comentários:

  1. Sergio:
    No Res Caldo (verde) do Café Poema sujeito a Anti crise, aqui vão as cerejas para a sobremesa:

    http://palavrascomoascerejas.blogspot.com

    Muitos Quentes e Bons Cafés Poemas!

    Abraços

    Eduardo Martins

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Eduardo, já guardei as palavras com cerejas para futura degustação.

    Abraço
    SG

    ResponderEliminar