terça-feira, 8 de dezembro de 2015

A gata do oculista



Com avançar dos quarenta chegam também alguns sintomas típicos da idade, como é o caso de ver mal ao perto. E com isso afastam-se livros da vista até que o comprimento dos braços nos permita ler na perfeição. Entre afastar as letrinhas dos olhos e colocar os óculos na ponta do nariz, vai a distância do estilo e da circunstância. Para fazer face a esta inevitabilidade, receitaram-me lentes progressivas e como os meus óculos estão a pedir reforma, dirigi-me a um oculista para ter uma ideia de como andavam as tendências. Até aqui nada de estranho. Depois de provar uma dúzia de armações e de não gostar de nenhuma delas, esgotando a paciência da senhora da loja que se derretia em apologias sobre as fantásticas lentes de cristal e armações flexíveis, quase indestrutíveis - surgiu o imprevisto. 


Não foi só estrondoso orçamento de um par de óculos que me assustou. Tentemos então compor o cenário desse momento: Ora temos que a loja apresentava uma sóbria decoração natalícia, uma outra senhora atendia um cliente mais decidido e de sentido comprador, eu estava confortavelmente sentado enquanto falava com a oftalmologista sobre as vantagens destas ou de outras lentes, em cima da mesa estavam seis armações de óculos para escolha, várias pessoas entravam e saíam da loja, ouviam-se votos de boas festas, saudações e sorrisos alargados, lá fora a sirene de uma ambulância cortava o frio do fim de tarde, até que entrou pela loja a dentro, tão rápido quando uma surpresa consegue ser, um gato malhado de luz e espanto, melhor dizendo uma gatinha de nome Sisi (a mesma deste episódio).


A felina rondou as mesas e as cadeiras, mediu o grau de aceitação dos olhares e não tardou a subir para o meu colo, onde reclamou uma panóplia de festas e mimos até se anichar como se estivesse em casa e eu fosse só mãos e calor. Perdi-me no pêlo do gato e esqueci-me do peso do relógio. Não escolhi nenhuns óculos. Não era para isso que tinha ido ao oculista. Este não era o tempo de afastar afectos pela lonjura dos braços.








Sem comentários:

Enviar um comentário